Professores do Recife fazem a diferença na 7º marcha à Brasília

O Sindicato dos Professores do Recife marcou presença na Marcha à Brasília na última quarta-feira (06). A Delegação do SIMPERE foi composta por 33 companheiras e companheiros que desembarcaram em Brasília um dia anterior à Marcha.

Com faixas que diziam “Não ao Acordo Coletivo Especial que ataca os trabalhadores. Direitos não se negociam”, “Pela anulação da reforma da previdência paga com dinheiro do mensalão” e “Em defesa do emprego. Contra demissões na GM” fizeram a diferença.

Certos de que as bandeiras de lutas dessa marcha são bandeiras do movimento, o SIMPERE acredita que é preciso ir além. Em relação ao financiamento da educação é preciso que seja implantado 10% do Produto Interno Bruto (PIB) JÁ e a incorporação de duas Bandeiras que são: Contra o Acordo Coletivo Especial (ACE) e Pela Revogação da reforma da previdência paga com o dinheiro do mensalão.

Essa diferença na pauta de reivindicação acontece porque a Marcha à Brasília das Centrais Sindicais, encabeçada pela CUT, não tem interesse de ir contra as determinações do Governo Dilma Rousseff (PT). Na questão dos 10% do PIB, o “Já” faz diferença, pois o Governo Federal só pretende implantar em 2023. No que diz respeito ao ACE, é de grande interesse do governo e da patronal desregulamentar as leis do trabalho ao ponto do negociado se sobrepor ao legislado. E por último, a anulação da reforma da previdência realizada no governo lula em 2003 e paga com o dinheiro do mensalão. Esta última é emblemática, pois se a CUT empunha essa bandeira ela estará assumindo que houve o Escândalo do Mensalão, e isso eles não querem.

Por isso, o SIMPERE irá participar de uma nova Marcha à Brasília, no dia 24 de abril, ao lado da CSP-CONLUTAS que reivindica essas bandeiras de lutas. Sendo assim, a diretoria do SIMPERE faz um convite à categoria para participar de mais esse dia de mobilização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze + 19 =