Coordenadores pedagógicos discutem PL que amplia carga horária

O SIMPERE realizou na manhã desta terça-feira (22) uma Plenária com os coordenadores pedagógicos, no Centro Social da Soledade, para discutir sobre o Projeto de Lei de ampliação de Carga Horária. Após os informes, foi iniciada a leitura do PL para ser apreciado pela plenária. Durante a apreciação do documento, as coordenadoras pedagógicas presentes puderam fazer destaques que foram discutidos e serão enviados à Câmara dos Vereadores.

Tal projeto foi apresentado pela gestão pedagógica da PCR no último dia 14/03/16, em reunião com a comissão de negociação dos coordenadores e o SIMPERE. Atualmente a minuta encontra-se na comissão de justiça, depois seguirá para o governo e por fim para a Câmara dos vereadores. Devido ao ano eleitoral o prazo para a votação se encerra no dia 04 de abril. A minuta de lei foi alterada em plenária de forma democrática em alguns de seus artigos e incisos de modo a contemplar algumas inquietações do grupo, sendo a principal alteração a que se refere a avaliação de desempenho.

A direção considera que a avaliação da função no contexto de uma gestão que não respeita a autonomia pedagógica de professores e coordenadores e que centra suas ações no monitoramento nas escolas é muito danosa, sobretudo pelo fato de que não passar na avaliação da função significa sair da mesma e perder a ampliação, ou seja, significa menos pão na mesa dos/as coordenadoras/es, assim, a PCR garante através de uma avaliação sua política de vigiar e punir fazendo com que os coordenadores se submetam a todo tipo de pressão. Por outro lado, a gestão pedagógica já sinalizou afirmando que não abriria mão da avaliação. Diante do impasse e depois de várias intervenções foi deliberado que a “avaliação do coordenador será para fins de aperfeiçoamento da prática pedagógica” e não para “fins de permanência na função” como colocado inicialmente pela PCR.
Os encaminhamentos aprovados foram:
1. Enviar o texto com as alterações para a gestão pedagógica e tentar agendar uma reunião;
2. Enviar o texto para a câmara de vereadores para que os adendos e as substituições sejam inseridos no projeto;
3. Acompanhar o tramite do projeto e mobilizar as coordenadoras para pressionar os/as vereadoras no momento da votação.
Neste sentido cabe a tod@s permanecer na luta unificada para garantir a ampliação e a não punição através de uma avaliação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 + 3 =