Escola Santa Edwiges resiste contra o fechamento

Escola Santa Edwiges resiste contra o fechamento

A rua Jurite, no bairro de Afogados, ficou pequena na última noite da quinta-feira (17/10) para a comunidade da escola de Santa Edwiges. As mães e pais dos estudantes foram convidados a participar de uma reunião com representantes da Secretaria de Educação para informar a mudança do prédio.

O Simpere, que vem acompanhando o processo desde o começo, também esteve presente na reunião. Durante a intervenção do sindicato, deixamos claro que, apesar de estar representando os professores da unidade, tínhamos também o compromisso na defesa da escola pública e de buscar a melhor saída junto com toda comunidade escolar.

A proposta da prefeitura foi transferir todos os 159 alunos para a Escola Municipal dos Remédios, no Bongi. Contudo, a população não aprovou a proposta. Além de ficar mais longe do local de moradia das crianças, a escola deixaria de existir. Um dos presentes falou da importância da escola para comunidade, pois não são só paredes. Aquele espaço guarda histórias de várias gerações que passaram por lá, e muitos hoje levam seus filhos e netos para mesma escola.

A reunião se encerrou e os representantes da PCR não prometeram nada. Ficaram de levar ao Secretário as reivindicações das mães e pais dos estudantes.

Por outro lado, pais, mães, representantes da associação de moradores, professoras e professores formaram uma comissão para cobrar rapidez na resolução desse impasse. E deram grande exemplo da força da luta unificada em defesa da educação e da escola pública!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × quatro =