NÃO É NORMAL voltar às aulas sem vacina

NÃO É NORMAL voltar às aulas sem vacina

A comunidade atendida pela educação municipal é a que mais tem sofrido na pandemia com o aumento do gás de cozinha, o rodízio de água, a falta de tratamento de esgoto e a suspensão do auxílio emergencial.

Enquanto o Colégio Damas divulga protocolos de segurança que incluem até higienização das mochilas, há anos acompanhamos a Secretaria de Educação do Recife tentando nos convencer de que não há dinheiro para investir na estrutura das escolas, onde os recursos de higiene sempre foram racionados, e reformas aguardam eternidades para serem realizadas.

Além disso, a cidade ainda enfrenta escassez de água. Como esperar que a prefeitura vai garantir as máscaras, carro pipa, sabão e circulação de vento nas salas de aula de todas as unidades?

As entidades representantes das escolas particulares têm realizado uma campanha ostensiva de formação de opinião pública de normalização do retorno das atividades presenciais. No caso deles, é para não perder as mensalidades. Para a educação pública, significa mais desigualdade.

VAMOS SER A NOVA MANAUS?
Após 20 dias de reabertura das escolas, em setembro de 2020, a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas registrou 342 professores infectados. Só na UFAM, 33 professores morreram. Janeiro de 2021 mostrou o resultado desta política de novo normal: a crise de oxigênio e a originação da B1, variante mais forte do vírus.

ESCOLAS FECHADAS
A educação municipal de Campina Grande decretou greve a partir do dia 01 de fevereiro, após a morte da professora Cristiane. São Paulo começou iniciou greve estadual a partir do dia 8 de fevereiro, após contabilização de 147 casos em escolas estaduais. Escolas públicas e particulares notificaram pelo menos 9 surtos de covid entre alunos e funcionários, e 3 escolas de Campinas fecharam antes mesmo que a própria prefeitura precisasse suspender o retorno. O Rio de Janeiro iniciou greve estadual e municipal pela vida no dia 03 de fevereiro.

VACINA PARA TODOS JÁ
A pesquisa da British Medical Journal não significa que a doença é leve para todas as crianças, ou que nenhuma pode transmitir o vírus para colegas, professores e familiares. Em São Paulo, 763 crianças foram internadas, e 20 morreram de covid desde março. Quem está disposto a apostar em números baixos para que sua criança não vire estatística? A CNN divulgou como após a mutação europeia, o Reino Unido já interna 100 crianças por semana com síndrome inflamatória grave pós-covid, que acontece semanas após o fim dos sintomas.

JOÃO CAMPOS E FREDERICO AMÂNCIO QUEREM SACRIFICAR AS PESSOAS QUE TRABALHAM NA EDUCAÇÃO
Pernambuco segue sendo a cidade com maior taxa de mortos por infectados, depois do Rio de Janeiro. De acordo com os registros da própria SES-PE, as mortes contabilizadas em fevereiro indicam aceleração de 20% em 15 dias, e ao invés de reforçar a política de distanciamento social, querem ampliar o risco de disseminação.

Defendemos, enquanto não houver segurança sanitária: aulas remotas com acesso a internet e equipamentos para a comunidade, cesta básica, auxílio emergencial e vacina para todos JÁ!

#EscolasFechadasVidasPreservadas
#VacinaParaTodosETodas
#VoltaAuxílioEmergencial

SIMPERE — Gestão Resistência e Luta — Filiado à CSP Conlutas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − 2 =