De acordo com sindicato, é preciso lutar pelos 7,97% com retroativo a janeiro

Plenária de Delegados de Base discute greve nacional da educação, revisão no valor do piso e cobra providências da CNTE

Ontem (02) foi mais um dia dedicado à organização da luta pela educação para os delegados de base do SIMPERE. Durante os turnos da manhã e da tarde, os participantes puderam discutir pontos como revisão no valor do piso, reajuste de 7,97%, rumos da campanha salarial e 1/3 de aula-atividade. O evento aconteceu no auditório do Sindicato dos Bancários. Na ocasião também foram dados informes sobre Saúde Recife, Greve Nacional da Educação, entre outros.

Entre os temas abordados no encontro, destacou-se a necessidade da categoria lutar para que a Prefeitura do Recife cumpra a lei e pague o reajuste de 7,97% com retroativo a janeiro. Além disso, os professores e professoras também exigem do governo Dilma os 21%, cumprindo o que foi previsto, recompondo o valor do FUNDEB perdido.

Claudia Ribeiro, coordenadora de Comunicação, salientou a importância de se entrar nessa batalha contra os ataques à Lei do Piso. “Nós queremos que a PCR pague imediatamente e efetivamente os 7,97% com retroativo a janeiro, pois isso é lei! Porém, devemos continuar lutando pelos 21%, uma luta que deve ser nacional, com os professores de todo o país”, disse. Simone Fontana, coordenadora geral do SIMPERE, reforçou: “7,97% é muito pouco para nossas necessidades, mas é lei e o prefeito deve cumprir. Precisamos nos organizar, levar essa discussão para as escolas e levantar essas bandeiras”.

O sindicato também criticou a CNTE que cedeu às pressões dos governos e da UNDIME (União Nacional dos Dirigentes Municipais da Educação) propondo o fim do reajuste do custo-aluno pela fórmula do INPC+50% do crescimento do FUNDEB, apresentando uma proposta rebaixada ao Congresso Nacional. No meio de tantos ataques de prefeitos e governadores a Confederação deve assumir uma postura diferente, lutando para manter a lei, denunciando a política fiscal do governo e pedir a recomposição do FUNDEB. “Nós do SIMPERE, enquanto entidade, devemos exigir providências da CNTE, pois não iremos abrir mão do que é nosso. Ela precisa cobrar do governo uma revisão no valor do piso”, ressaltou Eunice Nascimento, secretária geral.

O ILAESE, com Guilherme Fonseca, também deu sua contribuição levando mais informações aos delegados de base. Em sua apresentação, Guilherme falou sobre o histórico da Lei 11.738, as diferenças apresentadas pela CNTE com o governo, além dos riscos para a lei do piso. Para compreender melhor essas questões, você pode baixar o material apresentado pelo ILAESE.

Campanha salarial, aula-atividade e Greve Nacional – Simone Fontana informou sobre o encaminhamento da Comissão pela Implementação da Aula-atividade e apresentou a proposta da direção do sindicato, que foi aprovada pela categoria (em breve divulgaremos no site). Também foi aprovado pelos delegados o fortalecimento da paralisação dos dias 23, 24 e 25 por todos os mecanismos disponíveis, como nota na imprensa, cartazes, etc. Já amanhã (08) haverá uma Assembleia Geral, a partir das 8h, no auditório GII da UNICAP para discutir novamente sobre todos estes temas com os professores e professoras e, principalmente, apresentar os pontos da pauta reivindicação propostos pelas escolas.

Para entender a questão do piso, baixe o material do ILAESE aqui:

[wpdm_file id=71 title=”true” ]

Para entender mais sobre os novos valores do FUNDEB e piso do magistério, acesse:

http://www.cnte.org.br/index.php/comunica%C3%A7%C3%A3o/cnte-informa/488-cnte-informa-647-07-de-janeiro-de-2013/11522-fundeb-e-piso-do-magisterio-tem-novos-valores-para-2013

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 + 19 =