ESTRUTURA DAS ESCOLAS

Superlotação, sanitários inadequados, cozinhas improvisadas, salas de aula insalubres,   essa foi a tônica de 12 anos de PT na prefeitura do Recife. Mas o governo municipal e seus seguidores dirão: “Nós construímos CEMEIS, inauguramos escolas, reformamos outras, efetivamos professores via concurso público… Será que nada disso vale?”

A realidade responde. Um governo que conclui seu mandato com o legado de escolas cujos telhados desabam, como Cecília Meireles e Antonio Farias e de outras das quais brotam fezes, como Nossa Senhora da Penha e Antonio Correia, é de fato um avanço?

No caso da Antonio Correia, um engenheiro da prefeitura afirmou que o cheiro existia, mas que a água que vazava da fossa era clarinha. Na escola Antonio Farias, o teto veio abaixo em setembro. Para sorte, o fato ocorreu num sábado, livrando os alunos e professores.

O que está abaixo do admissível, eles encaram como uma situação normal. E ainda têm coragem de falar que “o Recife cresce cuidando das pessoas”. O sindicato permanecerá atento. Se sua escola enfrenta dificuldades semelhantes, denuncie, vamos à luta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze − 11 =